Um caso de reinfecção é quando um mesmo paciente volta a apresentar sintomas clínicos 90 dias após a primeira confirmação. O protocolo da Secretaria de Saúde determina que todos os casos positivos de coronavírus com novo quadro clínico em período igual ou maior a três meses do primeiro diagnóstico devem ser testados e notificados ao estado.

Teoricamente, a possibilidade de reinfecção em período tão curto poderia diminuir a eficiência de uma vacina, pois o efeito de defesa no organismo duraria pouco tempo. Contudo, a OMS considera que os casos de reinfecção, apesar de possíveis, são raros e não comprometeriam a adoção de vacinas.

Em Minas, existem apenas casos suspeitos, nenhuma confirmação. No mundo, a OMS já reconheceu alguns casos que confirmam a possibilidade de reinfecção.

Os profissionais de saúde que atenderem casos suspeitos, deverão encaminhar amostras para análise e sequenciamento genético para tentar identificar mutações no vírus.

A notícia de que existem esses casos sob análise foi apresentada pelo Secretário de Saúde de Minas, Carlos Eduardo Amaral, durante entrevista coletiva realizada hoje, dia 8 de setembro.