Mais uma vez a PPP que pretende passar a gestão dos resíduos sólidos em Contagem para a iniciativa privada, por um período de até 30 anos, voltou para pauta da Câmara e provoca reações.

Os vereadores contrários defendem a retirada do projeto, pois consideram que um final de mandato não é o momento para aprovar projetos que comprometam a prefeitura por tantos anos.

Defendem também que, se decidida a continuidade do projeto, deveria haver uma Audiência Pública sobre o assunto, que é de interesse relevante para a cidade.

Mas a prefeitura tem pressa e não quer realizar a audiência. Segundo alegações da administração municipal, a aprovação do projeto apenas inclui o plano da PPP no orçamento e não cria obrigações para o próximo prefeito. Vereadores contrários discordam desse entendimento.

O vereador Rubens Campos solicitou a todos os colegas parlamentares que agissem com prudência e bom senso e interrompessem o trâmite do projeto, mas não foi atendido.

O vereador Alex Chiodi já declarou voto contra e disse ser inaceitável a forma como o governo municipal vem tratando o assunto.

O vereador Daniel do Irineu, relator do projeto disse, nas redes sociais após a reunião da comissão que avalia a questão, que se o projeto for aprovado poderá procurar a justiça para contestar a aprovação sem uma audiência pública prévia.

Movimentos populares, como o Frente Brasil Popular de Contagem e SOS Vargem das Flores convocaram a população para ficar contra e prometem encher as galerias da Câmara dos vereadores na votação de terça-feira, 06 de outubro.

Mesmo com toda resistência, a prefeitura mantém o projeto e a maioria dos vereadores deve aprovar, salvo se houver a pressão popular surtir efeito.