No meio do caminho tinha uma árvore; tinha uma árvore no meio do caminho. Aliás, uma não. Várias. Se fosse um poeta ou um artista, tinha feito arte com a situação. Mas a prefeitura optou por retirar as árvores. Centenas de árvores que agora apodrecem enquanto a prefeitura não realiza o “leilão lenhoso” no qual pretende vender os troncos para quem tiver interesse.

Questionada sobre a destinação que foi dada as árvores retiradas para obras na João César, em Contagem, a prefeitura informou que está estocando as árvores no horto municipal, no bairro Cinco, para futura venda em leilão. A reportagem foi até o horto, mas não conseguiu autorização para ir ao local de armazenagem.

Segundo informado, o acesso é restrito para evitar incêndios criminosos ou saque do material.

Contudo, o espaço utilizado como depósito não possui vigilância ou obstáculo que impeça o acesso. Mesmo pelo lado de fora foi possível perceber as condições irregulares de armazenamento.

As árvores estão sendo armazenadas ao ar livre, no meio de lixo e umidade. As toras estão sendo empilhadas junto com folhas e galhos menores, o que favorece a deterioração e diminui o valor de venda. Nas condições mantidas, a prefeitura e a cidade estão perdendo dinheiro.

Mato e ervas daninhas crescem no meio das toras que um dia foram as árvores da João César e o local se tornou propício para todo tipo de animal peçonhento.

Segundo informado na Diretoria de arborização, o material armazenado é só uma parte do todo. Outro parte, formada por galhos menores, foi entregue para empresa especializada em destinação de resíduos vegetais. Não foi esclarecido quanto foi gasto pela prefeitura nessa operação.

A prefeitura também não soube informar o valor esperado com o leilão ou a quantidade exata de madeira estocada.

Em levantamentos em sites de leilão, o preço de madeira para lenha varia entre R$10 e R$30 reais o metro cúbico de madeira. Em um leilão realizado em Brasília para venda de árvores cortadas na cidade, em agosto deste ano, os troncos de árvores semelhantes as da João César chegaram a ser vendidos a R$16,23 o metro cúbico. Como não se sabe a quantidade exata em Contagem, não se pode afirmar valores. No leilão de Brasília, foram recebidos valores superiores a R$150 mil reais.

As árvores foram retiradas de várias partes da cidade para implantação de obras viárias. Mas a maioria dessas obras hoje está parada por falta de planejamento da prefeitura.