Política

IPTU, base de apoio, oposição e prioridades do governo. Veja entrevista com Moara Saboia, líder da prefeita na Câmara

Anúncios

A vereadora Moara Saboia(PT) foi eleita em 2020 para seu primeiro mandato legislativo. Em seus primeiros meses na Câmara, ela já foi alçada a posição de líder da prefeita.

Moara nos recebeu em seu gabinete e falou sobre sua nova função e sobre as relações com o executivo.

Ela disse estar pronta para o cargo e diz que aceitou ser líder do governo porque acredita em Marília, nas defesas que a prefeita faz e porque confia no diálogo com a administração municipal.

Jovem e com pautas próprias da juventude, ela tem o desafio de conduzir e articular os interesses da prefeitura no legislativo. Uma tarefa de gente grande que já começou quente.

EMENDAS NO PROJETO DE REDUÇÃO DO IPTU

As duas primeirasbpautasbdo governo que precisam da atenção da liderança são a redução do IPTU e a renegociaçãobde dívidas. Antes da votação em primeiro turno os projetos já tinham recebido mais de 40 emendas.

Moara falou que já era esperada a apresentação de emendas, mas que a quantidade surpreendeu. Ela salientou que existem muitas emendas repetidas, que tratam do mesmo tema, e que são muitas, mas feitas por poucos vereadores.

Segundo ela, a Câmara criou um comissão para discutir os projetos e tentará construir uma proposta de consenso, “uma proposta da Casa” para alterar os projetos enviados pelo executivo.

Segundo a líder do governo, a maior parte das emendas visa ampliar os descontos dados ao IPTU e ampliar os descontos para imóveis comerciais e industriais.

Nestes aspectos, a vereadora disse que conversas estão sendo feitas e devem avançar para o melhor resultado possível.

Segundo Moara, “a ideia é sair da Câmara com um projeto ainda melhor para a população”, disse.

Também houve emendas que buscam dar descontos e diminuir o valor inicial, ou valor principal, da dívida de contribuintes.

Neste ponto a vereadora falou que existem limitações, algumas até legais, para avançar. Segundo ela, “diminuir o valor da dívida inicial pode ser injusto com quem já pagou o tributo e não ficou devendo a prefeitura”.

FORMAÇÃO DA BASE E OPOSIÇÃO AO GOVERNO

A líder do governo disse que não existe hoje na Câmara essa divisão entre “Base” e “Oposição” ao governo.

Para ela, a prefeita Marília Campos está construindo uma agenda positiva e uma proposta de interesse comum “da cidade”; não está tratando de interesses do governo.

Segundo Moara, existe uma relação boa e republicana com o governo municipal. O governo tem trazido agendas positivas e tem sido bem recebida pelo legislativo. “Os vereadores querem colaborar e contribuir para essa atração de investimentos e recursos para a cidade”.

Nenhum vereador ainda se posicionou claramente como oposição. O único bloco formado até o momento, “Compromisso com Contagem”, é formado por cinco partidos e sete vereadores que, mantém relações políticas e ideológicas muito diversas com o executivo municipal.

DIVISÃO DE PODER NO PARLAMENTO

O poder interno na Câmara é expresso nas comissões que avaliam os projetos apresentados na casa. Essas comissões já foram formadas.

Os vereadores Vinicius Faria, que é irmão do vice prefeito Ricardo Faria, e Daisy Silva – ambos do Republicanos – presidem três comissões. Mas os vereadores do PT, PDT e MDB, que são os partidos que formaram a chapa inicial de apoio da prefeita, não presidem nenhuma das comissões permanentes da casa.

Questionada sobre como foi realizada a formação destas comissões, a líder do governo disse que buscou-se o consenso, de forma republicana, buscando atender diferentes visões e criar equilíbrio em todas as comissões.

VEJA: Vereadores reclamam de dificuldades na relação com administrações regionais. Líder do governo, Moara Saboia se posiciona

CLIQUE AQUI E LEIA MAIS

PRIORIDADES DO GOVERNO E AGENDA POSITIVA

A líder do governo disse que a administração municipal tem buscado criar uma agenda positiva, de interesses da cidade. Entre as pautas prioritárias está a Reforma Tributária no município, que inclui as mudanças no IPTU e a renegociação de dívidas dos contribuintes com a prefeitura. Mas que também deve contemplar as taxas de engenho e publicidade e outras tarifas municipais, como já adiantou a prefeitura.

Também deve receber atenção especial uma Reforma Administrativa, que irá alterar a estrutura municipal, adaptando aos projetos do novo governo e que deve, a princípio, passar por uma descentralização da administração através das administrações regionais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s