Nesta terça-feira, a prefeita Marília Campos participou de entrevista na TV PT, conduzida pela ex-ministra e ex-senadora Ideli Salvatti. A prefeita falou sobre as obras na cidade e sobre sua gestão durante a pandemia. Também mostrou força política. Foi o programa de estreia e, entre todos os prefeitos petistas do Brasil, a escolhida foi Marília Campos.

Segundo Marília, seu governo herdou a cidade transformada em um canteiro de obra. Muitas delas com problemas.

Marília disse que muitos dos contratos tiveram que ser revistos por causa da inflação na construção civil, que encareceu cimento, ferragens e outros materiais necessários para realização das obras. Mas que sua administração está trabalhando para sanar os problemas.

Segundo Marília, o processo de gestão municipal está sendo realizado com diálogo constante. Inclusive na gestão de obras e prioridades. Com diálogo e negociação, a prefeita disse que trabalha para concluir e entregar todas as obras inacabadas. Algumas, segundo elas, foram reavaliadas; alguns dos projetos eram inadequados, outros desnecessários, mas a prefeitura irá trabalhar para entregar o melhor para a cidade.

A prefeita disse se orgulhar do processo de escuta realizado com a população das administrações regionais. Segundo ela, “não dá para fazer tudo, a gente tem que escolher e a gente escolhe melhor quando a gente escuta a população”.

Nesse momento, a ex-ministra, Ideli Salvatti, disse que “a participação popular sempre foi uma marca muito forte das administrações do PT e seus relatos reafirma esse compromisso”.

RELAÇÃO COM BH E COM O GOVERNO ESTADUAL

“Defendo a articulação regional, mas eu tenho que ter uma reciprocidade”, disse a prefeita. Segundo Marília Campos, muitas vezes a capital quer ditar as regras para outras cidades e não é assim que funciona esse tipo de relação.

Segundo a prefeita de Contagem ela mantém uma relação republicana com o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil, e com o governador mineiro, Romeu Zema.

Foi graças a esta relação, disse a prefeita, que Contagem conseguiu R$98 milhões do governo estadual para concluir as obras da bacia do Córrego Ferrugem, iniciadas com recursos obtidos por Marília em seus mandatos anteriores, ainda com Dilma na presidência do país.

A prefeita também destacou que esta relação possibilitou a parceria que irá reabrir o Parque Fernão Dias para a população e outros projetos de parceria que estão trazendo desenvolvimento para Contagem.

EMPREGOS E DESENVOLVIMENTO

Marília disse que a pandemia afetou de forma diferente cada setor da economia. A indústria foi afetada de forma diferente que o comércio. Por isso a indústria de Contagem não foi tão afetada e a cidade conseguiu, mesmo com a pandemia, gerar novos empregos.

Mas a prefeita disse que isso não basta.

Ela disse que a desigualdade social é algo que precisa ser enfrentado pelo poder público brasileiro.

Marília disse que “precisamos lutar por um outro projeto de desenvolvimento econômico. Precisamos de um modelo que enfrente a desigualdade social”. Um outro mundo é possível, mas é preciso um novo modelo de desenvolvimento, disse a prefeita.

Marília questionou a restrições e o teto de gasto, que limita investimentos em áreas sociais do poder público.

Ela disse que o poder público e o governo federal precisam voltar a investir no futuro do país e destacou a necessidade de voltar a realizar programas e financiamento da habitação, como Minha Casa Minha Vida, realizado nos governo petistas, para combater o déficit habitacional.

MISTÉRIO

A prefeita de Contagem revelou que se orgulha de três coisas: da agilidade na vacinação; do diálogo na educação e de uma terceira coisa que ela fará amanhã! É relacionado à saúde. Mas a petista não disse o que será.

O Coluna1 procurou várias pessoas da administração municipal, mas ninguém revelou o que é.

Diante de tanto mistério, especulações surgem. O Coluna1 resolveu não especular, mas quer saber… o que vocês acham que a Marília vai fazer amanhã? Comente e deixe sua opinião